Especial DuB!agem: Gabi Porto

20190629_114825_0000.png

Por Gabi Porto

“A minha entrada na dublagem foi meio do nada… Eu sempre fui fascinada pelas animações dubladas, e quando eu era mais nova falava que meu sonho era dublar as canções de uma princesa da Disney. Mas na real eu achava que era impossível até porque eu nem sabia como funcionava isso tudo e nem cantava profissionalmente – mal sabia eu que meu primeiro trabalho na dublagem ia ser justamente esse, com as canções da Anna, de “Frozen” (risos)!
Na época eu estava trabalhando com a Jullie, que além de ser atriz e cantora maravilhosa, é uma SUPER dubladora! E ela me indicou pra fazer o teste. Daí fui, cantei, eles mandaram o material pra Disney e lá eles selecionaram, mas eu não tinha a menooor ideia do tamanho do ‘Frozen’, da dimensão. Nem mesmo na hora que eu fui gravar. Achava que era um filme que passaria na televisão, sei lá.. Só depois que eu fui entender o tamanho da parada! E confesso que até hoje não caiu a ficha. Foi sonho realizado.

O processo de gravação foi ao mesmo tempo incrível e assustador! 😂 Era a primeira vez que eu entrava num estúdio de dublagem, que eu estava gravando algo profissional. E tudo na dublagem é muito rápido. Então pra vocês terem uma noção, a gente não recebe a música antes pra aprender, treinar, encaixar na voz nem nada. É. Tudo. Na. Hora. Tudo. Letra, melodia, intenções… Eu estava em pânico! Ainda mais porque as canções eram bem agudas e na minha região de passagem… Mas tudo isso flui lindamente quando você tem um bom diretor e no meu caso foi bem assim. O Felix foi incrível! Eu suei frio nos dois dias de gravação! Mas eu estava MUITO feliz!

A Anna é uma personagem que eu amo muito e toda vez que me reencontro com ela fico feliz demais. Estou MUITO animada com a gravação do ‘Frozen 2’, louca pra ver o crescimento dela (e o meu com ela) nesse filme novo. Espero não estar tão em pânico como da primeira vez (risos), mas o frio na barriga vai estar certamente lá porque agora eu tenho noção do tamanho da responsabilidade.
E de uma coisa eu tenho certeza: tudo vai ser feito com o maior amor do mundo!

Eu fiquei muito amarradona com o universo da dublagem, admiro demais a galera que faz porque não é naaada fácil! Pegar as intenções, a inflexão correta, bater a boca junto, falar no tempo certinho, ler as falas e olhar pra imagem, tudo isso ao mesmo tempo! É uma loucura! Merecem todo o reconhecimento do mundo! Então eu comecei a ver mais os trabalhos da Jullie e do Rapha Rossatto (que também trabalhava com a gente na época e é um dos meus dubladores preferidos!) e fui correr atrás de cursos. Fiz dois: o primeiro com a Mabel Cesar e o segundo com a Maíra Goes, duas MONSTRAS da dublagem que eu admiro demais! Mas acabei não podendo me dedicar tanto à Dublagem falada na época por conta de outros trabalhos (e pra trabalhar com dublagem você tem que se dedicar meeeeesmo!).

Depois da Anna eu comecei a trabalhar bastante com canções na dublagem, tudo ficou mais tranquilo. Acho que com o tempo de prática a gente vai relaxando e pegando o jeito e tudo fica cada vez mais prazeroso. Comecei a fazer aberturas de desenhos, séries, filmes, coros, solos.. Eu tive a oportunidade de fazer uns trabalhos muito legais, como a remasterização do DVD do Mogli (filme da minha infância) fazendo a canção da menina da tribo do final, as canções da Carla, filha do Blu, do filme Rio 2, algumas canções da Florzinha, das Meninas Superpoderosas e recentemente fiz a voz cantada da Augustina, da série ‘Go! Viva do Seu Jeito!’.

E esse ano eu comecei a fazer os dois: Dublagem cantada e falada, por conta de uma personagem que virou fixa numa série (a Anga, da Guarda do Leão). Tem sido um aprendizado incrível e o Serginho Cantú está sendo um mestre! Enfim.. É um trabalho que eu AMO fazer e que me fez conhecer muita gente incrível!”.

Anúncios