Especial DuB!agem: Andrezza Massei

20190623_030016_0000.png

Por Andrezza Massei

“Eu fui chamada para um teste de cinema como normalmente é: eles chamam algumas pessoas para cada papel, mas a gente nunca sabe do que se trata até chegar lá e descobrir no susto (risos). Eu comecei gravando um trechinho, mas fica tudo muito escondido – o que faz parte da surpresa -, e aí um dia me ligaram marcando pra voltar. Eu subentendi que tinha passado e quando cheguei lá eles conversaram comigo já explicando que eu faria uma personagem chamada Topsy, a prima de Mary Poppins em ‘O Retorno de Mary Poppins’. Na hora achei legal, até que falaram que eu dublaria a Meryl Streep – quase caí pra trás! Todo mundo adora ela, eu amo demais, acho ela fantástica desde muito tempo, principalmente porque ela fez a Donna, do filme “Mamma Mia”, que eu fiz o musical como Rosie. E eu ai pensei: ‘- que pedreira, mas vamos ver como é que é isso!’.

Musicalmente foi muito difícil, no sentido de dublar a música mesmo, pois é diferente de fazer um jingle ou uma coisa original né, quando você dubla tem que se preocupar com a intenção, não só das notas das canções, mas também de encaixar a letra na expressão. O papel do versionista também é muito importante nisso, pra te ajudar a encaixar. Por exemplo, de repente ela está falando e põe a cabeça pra trás, você tem que fazer isso também pra coisa ficar orgânica e não soar de forma robótica, então com a Meryl Streep você imagina como é que é né (risos)? A personagem, além de ter a interpretação dela, era bem maluquinha, ‘ficava de ponta cabeça’ – porque todas às quartas-feiras, ou ‘quarta-uruca-feira’, em um determinado horário, tudo na vida dela vira vai pro ar literalmente, e a minha cena, obviamente, se passa nesse momento – então ela tem essa questão de falar alguns textos estando de cabeça pra baixo, o que gera aquela preocupação de passar o esforço da posição na voz e faz do trabalho algo bem mais interessante e elaborado.
E os colegas de dublagem também foram incríveis,  o Thiago Machado, as crianças, o Leandro Luna, a Bruna Guerin… A gente grava tudo separado, mas depois, quando vê o resultado junto, é muito gostoso, a gente se diverte com isso.

Uma coisa muito legal e curiosa é que, para mim, mais difícil do que fazer a própria dublagem da Topsy, foi dublar a Meryl Streep. Isso porque a gente precisou dublar algumas chamadas e entrevistas, e, ainda que pouquinho, foi uma coisa que me pegou. A Topsy, por mais que também fosse ela, tinha aquele toquezinho da loucura, da personagem maluquinha com sotaque, dublar a pessoa, o ser humano em si, foi mais complicado, foi super desafiador.

Fazer ‘O Retorno de Mary Poppins’ foi um sonho, eu amo fazer tudo pra Disney, já trabalhei em espetáculos como “A Bela e a Fera” nas duas montagens oficiais que vieram ao Brasil, como a Dona Cômoda, fiz a Úrsula na montagem também oficial de “A Pequena Sereia”, fiz eventos da empresa, já gravei voz pra videogame da Disney, então é uma paixão, uma coisa de infância mesmo, é tudo muito trabalhoso, mas também é muito prazeroso. E ‘Mary Poppins’ é aquele filme que passava na Sessão da Tarde e a gente assistia com a mãe quando voltava da escola, então é uma lembrança muito boa e realmente não é clichê falar que é um sonho, uma delícia, um prazer incrível”.

Anúncios