[Entrevista] “Cinderella”, de Billy Bond, estreia em Belo Horizonte

Imagem

Crédito: Chico Audi

Em 2014, Belo Horizonte continua sendo palco de vários musicais. Após o sucesso do premiado “Lampião e Lancelote” e de “Crazy For You”, chega à cidade a superprodução infantil do clássico Cinderella”, para três sessões especiais no Palácio da Artes.
Com o propósito de agradar toda a família, recursos tecnológicos de última geração fazem parte da peça, que contará com cenários modernos, e efeitos especiais, visuais e de iluminação. O espetáculo conta ainda com gelo seco, chuva, telões em 3D, levitações, ilusionismo, explosões, aromas e uma infinidade de detalhes que chegam até a plateia. fazendo com que se sintam parte do espetáculo, benefício esse graças à famosa tecnologia 4D.

São mais de 180 figurinos e cinco trocas de cenários, que geram cerca de 28 toneladas de equipamentos. Os diálogos e as músicas são todos em português, e para dar vida ao conto, 22 atores compõem o elenco, acompanhados de mais de 50 profissionais nos bastidores, todos sob a direção do famoso Billy Bond.

Em entrevista exclusiva para o B!, o diretor fala das produções de musicais no Brasil, sua carreira, e conta sobre a montagem de sua “Cinderella”.

Bill-Bond

Billy Bond (Foto: Divulgação)

“Desde o ano 2000,  após produzir e dirigir “Les Misérables”,“Beijo da Mulher Aranha”, “Rent”, e “A Bela e a Fera”, da Disney, percebemos que o público no Brasil merecia assistir produções que só poderiam ser vistas na Broadway, mas era necessário ter versões brasileiras mais de acordo com a nossa linguagem, e com os costumes, adaptada à realidade do país. Também necessitávamos acomodar em termos financeiros, pois um ingresso médio em Nova York, custa U$200 dólares, e a alternativa de trazer um musical direto se tornava inviável financeiramente (além de ser falado em inglês). Em 2003, tivemos que criar um mecanismo para que esses temas da literatura infantil ou familiar, pudessem ser montados aqui, com qualidade, profissionalismo, e matéria-prima nacional.
É claro que no início foi difícil, mas depois de tantos anos de estrada, conseguimos consolidar todos os nossos produtos com dignidade e qualidade, logrando impor o nosso estilo em todo Brasil.

Essa é a razão principal de nosso sucesso com a “família”: entregamos o que prometemos na mídia. Tivemos a sorte de ser muito bem recebidos. Nota-se hoje, que os valores dos ingressos são perfeitamente aceitáveis, tendo em conta que a nossa produção é muito grande. Viajamos pelo país com 50 pessoas e duas carretas de 40 pés, com toneladas de cenários, figurinos, equipamentos, truques, e efeitos especiais.” diz o diretor.

O gênero do teatro musical, fascina Billy, e sobre o seu envolvimento com a arte e o passo a passo para a realização dos seus projetos, em especial seu mais recente, ele conta:

Eu sou basicamente de formação musical, produtor de música, minha carreira agora está dedicada a esta nova mídia, que é o teatro musical, onde envolve tudo: música, cinema, luz, som, atores, interpretação, canto, e etc. Cada obra demora (para ser montada) seis meses aproximadamente, e com essa estamos em tour desde o ano passado.
Porque “Cinderella”? -Sempre escolhemos temas de grandes clássicos da literatura, que todo mundo conhece… E não fazemos uma leitura pessoal, egoísta do tema, tentamos levar a obra para o palco exatamente como foi escrita pelo seu ator.
Os recursos não são a coisa mais importante, e sim a Historia em si, sua narrativa teatral, o texto, as músicas, a interpretação… Mesmo assim tem animações, desenhos, filmes, e usamos muitos efeitos, como neve, chuva, bolhas de sabão, truques com o vestido da princesa e a carruagem, os sapatinhos de cristal, etc”,
– diz Billy Bond.

Ficha técnica:

Direção de Dramaturgia: Marcio Yacoff
Arranjos e direção musical: Vila/Bond
Adereços e próteses: Gilbert Becoust
Diretor Vocal: Thiago Lemmos
Designer de Coreografia: Nancy Guedes e Marieta Piragine
Realização Cenográfica: Paul Veskasky & Cyrus oficinas
Designer de figurinos: Olivia Arruda Botelho
Assistente de Figurinos: Mariana Pocci
Modelista de Figurinos: Geralda José Ferreira
Designer make up artist: João Boccaletto
Assistente de produção: Paula Canterini
Designer de som: Jefferson Fulanetto
Designer de luz: Sandro Moreira
Direção Tecnica: Angelo Meireles
Fotos: Chico Audi (Brasil)
Direção geral de produção: Andrea Oliveira
Direção geral: Billy Bond

Serviço:
Cinderella

Local: Grande Teatro do Palácio das Artes
Av. Afonso Pena, 1537, Centro

Datas e horários:
25 de abril, às 20h
26 de abril, às 16h
27 de abril, às 19h

Ingressos:
Setor 1: R$ 150,00 (inteira)
Setor 2: R$ 120,00 (inteira)
Balcão: R$90,00 (inteira)

Classificação: Livre

Mais informações: http://fcs.mg.gov.br/programacao/cinderella
Anúncios

Uma resposta para “[Entrevista] “Cinderella”, de Billy Bond, estreia em Belo Horizonte

  1. Pingback: Clássico infantil, “A Bela e a Fera”, de Billy Bond, chega ao Rj | A Broadway é Aqui!·

E você? O que achou da matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s