Pelo BrasilRio de Janeiro

Temporada de “Vampiras Lésbicas de Sodoma” é prorrogada

A temporada de “Vampiras Lésbicas de Sodoma” no Rio de Janeiro será estendida até o dia 30 de abril no Teatro Café Pequeno. Exibido às quartas-feiras, o espetáculo ganhou destaque na cena teatral carioca pelo seu humor caricato, herdado do texto de Charles Busch. Originalmente uma peça sem música, “Vampiras” ganhou canções em sua primeira versão brasileira, assinada por Jonas Klabin. Na trilha, clássicos de cabaret alemão, como “Maskulinum-Femininum” e “Ich Bin ein Vamp” que ganharam letras em português pelas mãos de Jonas e Claudio Botelho (responsável pela versão de “A Balada da Dependência Sexual”).

No elenco, Marya Bravo e Thiago Chagas vivem duas vampiras em constante embate pelos séculos, que se encontram em três momentos na peça: Sodoma dos tempos bíblicos, Hollywod na década de 1920 e Las Vegas nos anos 1980. Ao lado de Marya e Thiago ainda estão Thadeu Matos, André Viera, Davi Guilherme e Thuany Parente, que interpretam outros diversos personagens do enredo.

Marya Bravo e Thiago Chagas encarnam duas vampiras que se confrontam pelos tempos FOTO: Arthur Seixas
Marya Bravo e Thiago Chagas encarnam duas vampiras que se confrontam pelos tempos FOTO: Arthur Seixas

Este é o primeiro texto de Charles Busch a ser encenado no Brasil. “Vampiras Lésbicas de Sodoma” estreou em 1984 e até hoje é um dos maiores sucessos off-Broadway, apresentado em diversos países desde então. Charles Busch é autor de diversos espetáculos de sucesso que nunca vieram ao Brasil. Sou fã do seu trabalho e quis dividir um pouco desta paixão. “Vampiras Lésbicas de Sodoma” foi seu primeiro texto e sucesso. Faz sentido começar por ele. Li diversas peças hilárias escritas por Busch, bem como um livro que romanceia sua própria história de como montou seu primeiro espetáculo (a primeiríssima versão de “Vampiras…”) chamado “Whores of Lost Atlantis”. Essa história é maravilhosa, com descrições fantásticas de suas aventuras ao montar a peça… EM UMA SEMANA! Ele escreveu, produziu, dirigiu e estrelou esta jóia num pequeno bar no East Village de Nova York e acabou ganhando uma das temporadas mais longas na história do circuito Off-Broadway, durando mais de cinco anos. Sou fascinado pelas histórias por trás das peças, especialmente das mais excêntricas. “Hedwig” e “Grey Gardens” também têm histórias incríveis Acredito que trazendo para o Brasil, essas histórias ganham mais um capítulo” diz Jonas Klabin, em entrevista ao B!

Veja na íntegra a entrevista com Jonas Klabin, diretor de “Vampiras Lésbicas de Sodoma”

Serviço:

Teatro Café Pequeno
Av. Ataulfo de Paiva, 269 – Leblon

Quando: Às quarta-feiras, às 20h. A casa abre a partir das 19h
Ingressos: R$30,00
Classificação: não recomendado para menores de 18 anos

Bilheteria: Abre de quarta a domingo das 16:00 até as 20:30
Mostrar mais

Artigos relacionados

Comente

Botão Voltar ao topo
Fechar