Musical baseado na obra de Ariano Suassuna encerra temporada no RJ

A comédia musical “Farsa da Boa Preguiça” chega a sua última temporada após uma jornada de 4 anos em cartaz, incluindo uma passagem por Portugal nesta semana. A peça com texto escrito pelo mestre Ariano Suassuna,  recebeu o prêmio Shell de Melhor Musical Brasileiro e o prêmio Contigo de Melhor Música pelo trabalho de Alexandre Elias. A direção é de João das Neves, um dos fundadores do Grupo Opinião, núcleo artístico que surgiu durante a década de 1960 e combatia a Ditadura Militar.

'A Farsa da Boa Preguiça'_Jackson Costa, Bianca Byington e Daniela Fontan_MG_1665
Jackson Costa, Bianca Byington e Daniela Fontan / Crédito: Sarau Agência

O elenco é composto por Alexandre Dantas, Bianca Byington e Jackson Costa, Daniela Fontan, Leandro Castilho, Vilma Melo, Flavio Pardal e Francisco Salgado, juntos, eles contam a história do poeta de cordel Joaquim Simão, preguiçoso por natureza, e sua religiosa esposa Nevinha. Para complicar a história, o casal mais rico da cidade, Aderaldo Catacão e Clarabela possuem um relacionamento aberto e cada um se interessa pelos protagonistas, tentados a ceder por três demônios, mas dois santos fazem o possível para impedir que Joaquim Simão e Nevinha aceitem a proposta dos antagonistas. Os artistas dividem a cena ainda com mamulengos, marionetes muito comuns no Nordeste.

A decisão de transformar a obra de Suassuna em um musical partiu de Alexandre Elias e João das Neves, que compôs a abertura do espetáculo. No total, são 15 canções que remetem ao universo da música armorial, uma combinação de ritmos nordestinos de raiz com música medieval e clássica, onde os próprios atores tocam instrumentos durante a peça. Inclusive, Flávio Pardal e Leandro Castilho tiveram de aprender a tocar rabecas, que foram produzidas pelo conhecido Nelson da Rabeca. Para completar a atmosfera nordestina, o cenário de Ney Madeira apresenta iluminugravuras do próprio Ariano Suassuna e xilogravuras de Jota Borges, um dos artistas prediletos do dramaturgo. O figurino inspirado nos festejos tradicionais do Nordeste é assinado por Rodrigo Cohen.

O musical, produzido pela Sarau Agência, permanece em cartaz até o dia 24, com ingressos custando R$ 40,00 no Imperator – Centro Cultural João Nogueira, no Méier, subúrbio do Rio de Janeiro.

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.